sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

menos que um: o sutra de smokey, o urso amigo, de gary snyder

Certa vez, no Jurássico, há cerca de 150 milhões de anos, o Grande Buda do Sol fez um discurso, de seu canto no Vazio Infinito, a todos os elementos e energias reunidos: aos seres de pé, aos caminhantes, aos seres voadores e àqueles sentados – mesmo as gramíneas, em número de bilhões, cada qual nascida de uma semente, estavam ali reunidas: um Discurso dizendo respeito à Iluminação no planeta Terra.

“Em um tempo futuro, haverá um continente chamado América. Nele estarão grandes centros de poder denominados Pyramid Lake, Walden Pond, Monte Rainier, Big Sur, Everglades e assim por diante; e largos nervos e canais tais como o Rio Columbia, Rio Mississippi e o Grand Canyon. A raça humana, nessa era, estará com problemas até o pescoço, praticamente destruindo todas as coisas, por mais forte que venha a ser sua própria inteligência búdica.”

“Os estratos móveis das grandes montanhas e a pulsação dos vulcões serão meu amor queimando fundo na terra. Minha compaixão obstinada é xisto e basalto e granito, para que sejam montanhas, para que tragam a chuva ao solo. Nessa futura Era Americana eu adentrarei uma nova forma; para curar o mundo do conhecimento em desamor, que age por fome cega: pela ira negligente que devora o alimento e nunca se sacia.”

Então, ele se mostrou em sua forma verdadeira de

SMOKEY, O URSO AMIGO

Um lindo urso pardo cinzento erguido sobre duas patas, mostrando estar desperto e vigilante.

Segurando na pata direita a Pá que cava a verdade por sob as aparências; que corta as raízes dos apegos inúteis, que joga terra sobre o fogo da cobiça e da guerra;

Sua pata esquerda no mudra da Camaradagem Manifesta – indicando que todas as criaturas possuem o direito de viver a plenitude até seus limites, e que o cervo, os coelhos, esquilos, serpentes, lagartos e dentes-de-leão todos crescem no reino do Dharma;

Vestindo o simbólico macacão azul dos escravos e operários, dos incontáveis homens oprimidos pela civilização que clama salvar mas constantemente destrói;

Com o chapéu de abas largas do oeste, símbolo das forças que guardam a selva, Estado Natural do Dharma e caminho verdadeiro do homem na Terra;

todos os caminhos verdadeiros levam pelas montanhas -

Com um halo de fumaça e chamas atrás de si, os incêndios florestais de kali-yuga, incêndios causados pela estupidez daqueles que pensam poder ganhar e perder coisas quando, na verdade, tudo é vasto e livre no Céu Azul e na Terra Verde da Única Mente;

De pança roliça para indicar sua natureza afável, e também para dizer que a terra tem o suficiente de comer para todos que a amam e nela confiam;

Pisoteando rodovias destrutivas e subúrbios desnecessários, esmagando os vermes do capitalismo e do totalitarismo;

Indicando a tarefa: seus seguidores, tornando-se libertos dos carros, casas, comidas em lata, universidades e sapatos, compreendem os Três Mistérios de seus próprios Corpo, Discurso e Mente; derrubando sem temor as árvores podres e arrancando os galhos doentes desta nação América, deitando seus restos ao fogo.

Furioso, mas calmo. Austero, mas Cômico. Smokey, o Urso Amigo iluminará aqueles que o ajudarem; mas aqueles que o impeçam ou maldigam...

ELE OS ANIQUILARÁ.

Eis seu grande Mantra:

Namah samanta vajranam chanda maharoshana Sphataya hum traka ham mam

DEDICO-ME AO DIAMANTE UNIVERSAL, QUE A IRA FURIOSA SEJA DESTRUÍDA”

E ele protegerá aqueles que amam as matas e rios, Deuses e animais, mendigos e malucas, prisioneiros e doentes, músicos, mulheres brincalhonas e crianças auspiciosas:

E se alguém for ameaçado por publicidade, poluição do ar, televisão ou pela polícia, deverá cantar PRECE DE GUERRA DO URSO AMIGO:

PORRADA NELES CACETE NELES PORRADA NELES CACETE NELES

E Smokey, o Urso Amigo certamente aparecerá para derrubar o inimigo com sua pá-vajra.

Todos os que recitarem este sutra e tentarem praticá-lo acumularão méritos tão incontáveis quanto as areias do Arizona e de Nevada.

Ajudarão a salvar o planeta de um vazamento total de petróleo.

Entrarão na era da harmonia entre homem e natureza.

Conquistarão o amor dócil e o cuidado de homens, mulheres e feras.

Terão sempre amoras para comer e um lugar ao sol, sob um pinheiro, em que sentar.

E, NO FINAL, ATINGIRÃO A SUPREMA E PERFEITA ILUMINAÇÃO

...assim ouvi...


(pode ser reproduzido gratuitamente para sempre)


o original pode ser encontrado aqui: http://www.sacred-texts.com/bud/bear.htm